Pelo menos quatro vereadores de Natal decidiram ajudar na negociação entre policiais civis e Governo do Estado, após a categoria – que está em greve – ocupar a Governadoria em protesto na manhã desta sexta-feira (11).

Os parlamentares da capital potiguar, preocupados com a extensão da greve a paralisação dos serviços nas delegacias, foram até a manifestação para tentar convencer os agentes a deixar o prédio e voltar à mesa de negociação.

O acordo está sendo costurado pela vereadora Nina Souza (PDT) e pelos vereadores Hermes Câmara (PTB), Eribaldo Medeiros (PV) e Klaus Araújo (Solidariedade).

A reunião entre os vereadores e a presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), Edilza Faustino, aconteceu no banheiro social da Governadoria. Depois do encontro, os parlamentares saíram afirmando que iriam até a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed) para conversar com o secretário Raimundo Alves (Gabinete Civil).

Paralisação
Segurando cruzes e um caixão, para simbolizar o que eles chamam de “fim da carreira”, os agentes ocuparam a Governadoria para fazer uma manifestação diante da ameaça de retirada do adicional por tempo de serviço (ADTS), gratificação que é questionada na Justiça pelo Ministério Público.

A categoria decidiu ocupar o Centro Administrativo para cobrar uma reunião com a governadora Fátima Bezerra (PT). Os policiais civis exigem um encontro com a chefe do Executivo após tentativas frustradas de negociação com o vice-governador Antenor Roberto (PCdoB) e com os secretários Raimundo Alves (Gabinete Civil) e Pedro Lopes Neto (Controladoria-Geral).

Advertisement

Durante o ato, um oficial de Justiça notificou a presidente do Sindicato dos Policiais Civil (Sinpol), Edilza Faustino, sobre a decisão do desembargador Ibanez Monteiro, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), que determinou aos agentes que voltem imediatamente ao trabalho. Apesar da intimação, a presidente disse que a greve continua.

O desembargador estabeleceu multa de R$ 150 mil em caso de descumprimento.

Antes de receber a notificação, Edilza Faustino se trancou em um banheiro da Governadoria e só saiu após ser convencida por vereadores de Natal. O oficial de Justiça ficou aguardando na porta até ela sair.

Segundo a presidente do Sinpol, os vereadores pediram que os policiais desocupassem a Governadoria, mas Edilza Faustino disse que os agentes só sairão quando Fátima Bezerra se comprometer a recebê-los. “A gente pede que a governadora sente e que ela dê sua palavra, que ela determine essa negociação e a solução da situação que a gente vive hoje”, destaca a presidente.

Com informações da 98 FM